Como o storytelling ajuda a impulsionar o Coaching

Storytelling é literalmente contar histórias. Como Coach, a sua trajetória é o seu maior valor. Sua história deve cativar, envolver e atrair quem está interessado no seu produto. Você acha que consegue contar uma boa história?

***

O que é storytelling?

Você completou sua formação e foi ao mercado com seu processo de Coaching bem formatado. Elaborou sua história, mas… Quando você conta, sente que não há retorno. O esforço acaba sendo ineficiente, e você sente que algo não está funcionando adequadamente. Talvez o seu processo de vendas, talvez a sua história, talvez o seu cliente. Ou talvez tudo isto combinado. Ou seja: falta storytelling.

Afinal, o que é storytelling?

Storytelling é uma palavra em inglês que traduzida significa literalmente contar histórias. Isso mesmo, é a arte de contar uma boa história. E uma boa história é aquela contada para o público certo, do jeito certo, com os apelos certos.

Cercados de storytelling por todos os lados

Basta observar com mais atenção. Estamos cercados de storytelling por todos os lados. Na notícia que lemos, ouvimos ou assistimos, há storytelling. No programa, no livro, na novela, idem. Na propaganda, muitíssimo. Na entrevista de emprego, o que fazemos senão um longo percurso de storytelling? Inclusive nas apresentações corporativas e nos corriqueiros e-mails de dia-a-dia, pode ter certeza, ela estará lá.

O princípio é o mesmo em todos os casos: captar atenção, gerar engajamento e, por fim, tornar-se ‘consumidor’ da mensagem.

Storytelling e o Coaching

No Coaching, o maior ativo de um Coach é a sua trajetória profissional. É seu caminho até embarcar na carreira que vai gerar a confiança no Coachee de que você é a pessoa certa para conduzi-lo por todo o processo. Saber contar sua história é muito mais do que um script de vendas. É o que reforça segurança.

Existem métodos de construção da narrativa que ajudam a contar uma boa história. São orientações que procuram atender aos mesmo princípios listados acima: captar atenção, gerar engajamento/identificação e garantir ‘clientes’.

Para isto, é fundamental observar as 6 fases de elaboração de um storytelling e procurar aplicá-las à sua realidade.

1. Preparação: Qual a minha história?

Esta etapa é o que se costuma chamar no mercado de briefing. Envolve enumerar passagens de sua vida e desejos, levando substância a uma narrativa que está por nascer.

A sua própria história é o marco-zero da sua carreira como Coach. É fundamental que você olhe para trás e procure entender qual é a história que você pode contar. Ela deve fazer sentido a quem escuta, ser coerente e, sobretudo, verdadeira.

Trace, assim, cronologicamente os eventos que fizeram com que você chegasse ao ponto atual. Tente construir uma história com começo, meio e fim. Avalie criteriosamente os pontos fortes – que deverão ser exaltados – e os pontos fracos – que deverão ser trabalhados com antecedência para balizar sua história.

Dica fundamental: NÃO MINTA. Infelizmente é comum encontrarmos histórias que têm tantos furos que percebemos, logo de cara, que se trata de fatos mentirosos ou irreais. E como estamos falando de uma relação de extrema confiança entre Coach e Coachee, não arrisque desperdiçar sua reputação ao mentir. O dano causado pode ser irreversível.

2. Preparação: qual a persona do meu Coachee?

Todo roteiro tem uma audiência definida, um público-alvo. No caso do Coaching, uma persona. Uma persona é um descritivo completo de uma pessoa que represente uma parte relevante do seu público-alvo. A diferença é que enquanto o público-alvo possui características de generalistas, a persona tem traços de personalidade específicos, além de problemas reais que ela gostaria que fossem combatidos.

E para quê serve a persona? Para que você consiga construir uma narrativa que ligue sua trajetória a pessoas que efetivamente precisam do que você oferece. Ou seja, evita que você se comunique de maneira difusa, gerando alto grau de eficácia.

Hoje em dia, há diversas plataformas disponíveis (por exemplo, aqui e aqui) para que você defina a persona que representa o seu Coachee.

3. Narração: qual o desafio a ser superado?

Chegou a hora de dar vida aos desafios que a persona tem que enfrentar. Eles devem estar conectados com a sua história e/ou com a história de quem já fez Coaching com você. Por exemplo, contar a história de alguém que chegou ao topo da sua carreira para quem almeja atingir o mesmo objetivo. Contar como seu Coachee superou o medo de falar em público em um atendimento com foco em melhorar a oratória. Ou ainda, detalhar o processo de emagrecimento saudável e sustentável de um cliente para quem também busca esse mesmo desafio, e assim sucessivamente.

4. Narração: quais as emoções que vão surgir?

As melhores histórias são aquelas que geram mais conexão afetiva. Estas conexões são facilitadas quando se tocam em emoções vividas pelas pessoas que estão em contato com sua narrativa. Elas se dividem em dois tipos, basicamente:

  • Emoções negativas: normalmente listadas como frustração, medo, ou outras com conotação negativa. Estão normalmente conectadas ao mundo real da história da persona.
  • Emoções positivas: são ligadas às conquistas. São o contraponto do depois com o antes. Ressalta-se emoções positivas para não reduzir o engajamento de energia, trazendo à tona questões como vontade, resiliência e obstinação. Há, portanto, um conflito e um equilíbrio na história entre o querer (positivo) e o real (negativo). As emoções positivas são aquelas de alegria e reconhecimento pelas conquistas.

5. Narração: qual a solução para enfrentar o desafio?

É neste momento que sua trajetória ganha corpo e força. É a sua trajetória que vai indicar o caminho para enfrentar o desafio. Ou seja: o que você, Coach, fez para superar o desafio apresentado?

Dica: mantenha a narrativa de altos e baixos, como vimos nas emoções no item anterior. Você, em sua carreira, certamente não conseguiu de primeira superar os desafios que apareceram em seu caminho. Então, mostre o quanto foi, ao mesmo tempo, frustrante não ter conseguido, mas enriquecedor pelas lições aprendidas durante todo o processo. Esta abordagem também apresenta perseverança, humildade e constrói uma percepção de evolução à sua história, dando a ela mais credibilidade.

6. Narração: como vencer o desafio?

Chegou a hora do chamado! Como você, Coach, percebeu que sua trajetória efetivamente ajudava outras pessoas? E como o seu processo de Coaching, feito com todo carinho e dedicação, é a melhor opção para a sua persona?

É o clímax da história. É quando a sua narrativa se reverte em argumento efetivo de venda. É quando, depois de cativar o seu Coachee, você se apresenta como o mais preparado para leva-lo aos seus objetivos.

Dica extra: micro-histórias enriquecem o storytelling

Uma boa história é rica em detalhes que geram conexão imediata, pois materializam a imagem. É necessário, portanto, sair do campo amplo e se arriscar um pouco mais no específico. Por exemplo, em vez de dizer que “o Pedro percebeu que tinha chegado ao ponto máximo da carreira”, você pode dizer que “todos os membros da diretoria da empresa onde Pedro trabalhava tinham diplomas de MBA. Ele, no entanto, não tinha este diploma e sentia que não tinha mais tempo para consegui-lo…”

Percebe como fica mais óbvio o problema? É fácil desenhá-lo na mente quando se traz mais riqueza de detalhes que atuam fortemente no imaginário de sua persona.

Comece a montar o storytelling do seu processo de Coaching

Storytelling é um dos assuntos da moda no mundo dos negócios. E há um motivo: ele funciona. Uma boa história aumenta sua probabilidade de venda.

Invista esforço e recursos para validar sua narrativa como Coach. Para isto, tenha em mente que a maior dificuldade de qualquer processo de transformação é passar de intenção à ação. Por isso, para cada um dos itens acima, há perguntas-chave que guiam o entendimento. Procure respondê-las e você verá rapidamente o quanto sua abordagem vai melhorar.

Depois, conte pra gente os resultados alcançados e como foi a sua experiência contando a sua história. Queremos muito fazer parte deste seu momento.

A Como Fazer Coaching

Por fim, eu, Flávio Lettieri, tenho um convite pra você. Nestes meus mais de 25 anos de carreira em que tive a chance de desenvolver mais de 50.000 pessoas, eu pude ver na prática como o Coaching é uma ferramenta poderosa, que efetivamente transforma vidas, inclusive quando usada na gestão de pessoas. Com base nessa experiência, idealizei o programa Como Fazer Coaching. Tenho muito orgulho de poder dizer que com o auxílio de profissionais gabaritados, desenvolvi a melhor e mais completa Formação em Coaching do mercado. Ademais, ela foi feita para se adaptar à sua agenda atribulada. Isso quer dizer que aqui você é o gestor do seu tempo.

Fale com a gente para ter mais informações. Embarque comigo numa experiência transformadora e aprenda Como Fazer Coaching! A sua hora de ser Coach começa agora mesmo!

Aproveite e curta a página no Facebook, siga o perfil no Instagram, inscreva-se no nosso canal no Youtube e também na nossa Newsletter para ficar por dentro de todas as atualizações do nosso blog e receber ainda mais conteúdo gratuitamente.

Um carinhoso abraço,

Flavio Lettieri e Equipe Como Fazer Coaching

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de atendimento está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
Olá, como posso ajudar?

Novidades

LIDERANÇA

Receber Notificações